Governo prepara proposta para valorizar trabalho de cuidadoras

Com objetivo de identificar carências da atividade, Ipea realiza até junho a “Pesquisa Nacional sobre Trabalho Doméstico e de Cuidados”


Por Thays de Araújo, da Agência Gov | De Brasília (DF)

O cuidado é um direito e uma necessidade de todas as pessoas ao longo da vida, sendo mais evidente na infância, na adolescência, entre as pessoas idosas e com deficiência. O cuidar está no dia a dia, em diversos ambientes e permeando a existência de todos.

Embora seja essencial a todas as sociedades, no Brasil, o trabalho de cuidado segue sendo de responsabilidade quase exclusiva das mulheres.

Com isso – em meio à proximidade do Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas, no próximo 27 de abril –, para promover as mudanças necessárias para uma divisão mais igualitária desse tipo de trabalho, com especial atenção às desigualdades de gênero, raça, etnia e territoriais, o governo gederal está elaborando uma proposta de Política Nacional de Cuidados e um Plano Nacional de Cuidados.

A proposta é elaborada pelo Ministério das Mulheres e pelo Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS).

Objetiva garantir o direito ao cuidado para todas as pessoas que necessitam, reconhecendo e enfrentando as desigualdades estruturais da sociedade brasileira.

Além disso, busca promover uma cultura de corresponsabilidade entre homens e mulheres na família, comunidade, mercado e empresas.

Para entender as demandas e as necessidades, além de traçar o perfil de quem trabalha com estas atividades, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Ministério da Igualdade Racial, lançou a “Pesquisa Nacional sobre Trabalho Doméstico e de Cuidados”.

O formulário on-line pode ser acessado até o dia 13 de junho (acesse aqui).

A pesquisa busca levantar, por exemplo, quantas atuam como microemprendedoras individuais (MEIs). As chamadas cooperativas estão resolvendo demandas do setor? Quantos atuam na informalidade e de modo precário? Qual o grau de respeito aos direitos assegurados pela formalidade? Qual o perfil dessas trabalhadoras e o perfil das pessoas de quem cuidam – idosos, crianças, pessoas com deficiência, enfermos? Essas são outras questões a serem investigadas.

Tais informações são fundamentais para a elaboração de políticas públicas visando à melhoria das condições de trabalho das pessoas que exercem atividades de cuidado no Brasil, bem como para aumentar a qualidade dos serviços oferecidos.

O Ipea destaca que as informações e dados pessoais fornecidos não serão divulgados e estão protegidos pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), Lei nº 13.709/2018, ou seja, a privacidade de quem participar do estudo será preservada.

De acordo com a secretária nacional de Cuidados e Família do MDS, Laís Abramo, o trabalho doméstico e de cuidados não remunerados das mulheres é o dobro se comparado ao dos homens, e pode estar sendo subestimado.

Ela também menciona que 30% das mulheres não procuram emprego devido a esta responsabilidade, sendo esta carga mais pesada para mulheres negras (32%) em comparação com as brancas (27%).

A proposta abrange ainda a promoção do trabalho decente a todas as trabalhadoras e trabalhadores remunerados do cuidado, já que também é uma função fortemente marcada pelas desigualdades.

MAIORIA, MULHERES

Segundo o MDS, no Brasil, quase 75% do total de postos de trabalho no setor de cuidados é ocupado por mulheres.

Isso equivale a aproximadamente 18 milhões de mulheres exercendo funções de trabalhos domésticos, cuidadoras, professoras até o ensino fundamental, profissionais da enfermagem, médicas, fisioterapeutas, assistentes sociais, entre outras.

Estas ocupações são caracterizadas pela invisibilidade, desvalorização e baixa regulamentação, o que expõe os trabalhadores a situações precárias de trabalho.

DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS

Diante deste cenário, o Ministério do Trabalho e Emprega lidera uma Campanha pelo Trabalho Doméstico Decente – que é permanente – com o objetivo de sensibilizar empregadores e a sociedade em geral para os direitos dos trabalhadores domésticos.

O foco é alertar sobre a importância da fiscalização ordinária do trabalho doméstico e de cuidados como medida de prevenção ao trabalho análogo ao de escravizado no âmbito doméstico. A ação conta com a participação do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania.


Imagem em destaque: Joana Darc cuida diariamente dos pais idosos. Foto: frame/ Caminhos da Reportagem/ TV Brasil




GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Um comentário sobre "Governo prepara proposta para valorizar trabalho de cuidadoras"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 7 =