Kizomba, da Vila Isabel, 35 anos atrás despertava para a Consciência Negra

Um dos mais importantes desfiles da história do Carnaval do Brasil, idealizado por Martinho da Vila, colocava Zumbi dos Palmares e o povo quilombola no protagonismo que lhes era de direito


Por Wagner de Alcântara Aragão, para o Portal Vermelho | De São Paulo (SP)

Se em 20 de novembro temos o Dia da Consciência Negra, os desfiles das escolas de samba – estamos a mais ou menos três meses do próximo Carnaval, tema desta coluna – têm contribuição significativa para esse despertar.

Por sinal, 2023 marca os 35 anos de ‘Kizomba, festa da raça’, enredo com o qual a Vila Isabel conquistou seu primeiro título, nos desfiles do Rio de Janeiro. Não podemos deixar o ano terminar sem registrar esse aniversário.

Naquela apresentação do Carnaval de 1988, a Vila Isabel chacoalhou o público que acompanhava os desfiles in loco, na Passarela do Samba Darcy Ribeiro, na Avenida Marquês de Sapucaí, e impressionou os milhões de espectadores que assistiram à transmissão da televisão.

Era o Centenário da Abolição. Entre as diversas atividades que celebraram a efeméride durante o ano, os desfiles das escolas de samba não poderiam ficar de fora. Diversas agremiações, no Rio de Janeiro e em outras praças, trataram do tema em suas apresentações.

ENREDO DE MARTINHO DA VILA

O enredo da Vila Isabel, idealizado por Martinho da Vila, chamou a atenção pela abordagem diferente.

O protagonismo foi dado a Zumbi dos Palmares, à luta do povo negro por liberdade, às raízes afrodescendentes da cultura brasileira.

Essa perspectiva ficava evidente na letra do samba-enredo, e era ilustrada por alas, fantasias, alegorias e destaques que representavam com riqueza de detalhes e vigor toda a ancestralidade afro do Brasil. A Vila Isabel era menos luxuosa, requintada e rica que as concorrentes, mas superou isso com originalidade, arte e muito “chão”, como se diz no jargão carnavalesco.

É dizer: a Vila Isabel veio com o povo, para o povo.

Vale muito replicar aqui a letra do samba-enredo, verdadeiro hino à luta quilombola.

A composição, por vezes creditada a Martinho da Vila, na verdade é de Rodolpho, Jonas e Luiz Carlos da Vila; e a interpretação foi de Gera e Jorge Tropical.

A Martinho, como mencionado, coube conceber o enredo. E aos carnavalescos transformar tudo em espetáculo na avenida, a céu aberto.

Vamos à letra do samba:

Valeu Zumbi !
O grito forte dos Palmares
Que correu terras, céus e mares
Influenciando a abolição
Zumbi valeu !
Hoje a Vila é Kizomba
É batuque, canto e dança
Jongo e maracatu
Vem menininha pra dançar o caxambu (bis)

Ôô, ôô, Nega Mina
Anastácia não se deixou escravizar
Ôô, ôô Clementina
O pagode é o partido popular

O sacerdote ergue a taça
Convocando toda a massa
Neste evento que congraça
Gente de todas as raças
Numa mesma emoção
Esta Kizomba é nossa Constituição (bis)

Que magia
Reza, ajeum e orixás
Tem a força da cultura
Tem a arte e a bravura
E um bom jogo de cintura
Faz valer seus ideais
E a beleza pura dos seus rituais

Vem a lua de Luanda
Para iluminar a rua
Nossa sede é nossa sede
De que o “apartheid” se destrua (refrão)

Importante resgatar também que, dois anos antes da Kizomba de Vila Isabel, o Rio de Janeiro ganhara um monumento em homenagem a Zumbi dos Palmares.

Idealizado por Darcy Ribeiro, então vice-governador (Governo de Leonel Brizola), a obra foi inaugurada em 1986, na Avenida Presidente Vargas, altura da Praça XI – por sinal, próximo ao sambódromo também concebido por Darcy, Brizola e Oscar Niemeyer.

ORIGEM DO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Há 20 anos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei federal 10.639/2003, determinando como obrigatório o ensino nas escolas da história e cultura afro-brasileiras.

Em seu artigo 79, a lei instituiu em calendário escolar o 20 de novembro (data da morte, em 1695, de Zumbi dos Palmares) como Dia da Consciência Negra.

Em 2011, o Dia da Consciência Negra se ampliou, deixando de ser apenas circunscrito às unidades de ensino para se tornar, por meio de lei federal (12.519/2011) sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, uma data nacional.

Valeu, Zumbi. Zumbi, valeu!

Em tempo: aquele período da Vila Isabel virou tema de pesquisa de mestrado em História. De autoria de Eduardo Pires Nunes da Silva, a dissertação ‘Azul celeste em vermelho: o projeto carnavalesco de Martinho e Ruça na Unidos de Vila Isabel de 1988 a 1990’ foi defendia em 2014, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e pode ser lida na íntegra neste link clicando aqui.


Imagem em destaque: vista do desfile ‘Kizomba, festa da raça’. Divulgação Vila Isabel




CONTAMOS COM VOCÊ!
Para nos mantermos e continuarmos a produzir conteúdo útil.
Você pode nos ajudar. Você pode:
> Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo pix: redemacuco@protonmail.com
> Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
> Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Um comentário sobre "Kizomba, da Vila Isabel, 35 anos atrás despertava para a Consciência Negra"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 9 =