Guineenses no Brasil celebram os 50 anos da independência de Guiné-Bissau

Estudantes do país africano na Unilab, em Redenção, Ceará, promovem seminário para discutir potencialidades e desafios da nação


Por Soraya Lima, da Unilab | De Redenção (CE)

As cinco décadas de independência de Guiné-Bissau foram celebradas com o seminário “50 anos de avanços e retrocessos, mas com esperança de um amanhã melhor”, organizado pela Associação dos Estudantes Guineenses na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), nesta semana.

O evento conseguiu dar uma visão panorâmica sobre pontos em que o país ainda precisa avançar e como isto pode ser feito.

[Guiné-Bissau foi colonizada por Portugal. A proclamação da independência deu-se em 24 de setembro de 1973].

Durante a mesa de abertura do seminário, o reitor da Unilab, Roque Albuquerque, frisou que é preciso estar vigilante e lutar sempre para preservar a liberdade conquistada.

“Temos de nos manter vigilantes para sutilezas que, mesmo com roupagem de liberdade e democracia, podem estar tentando nos escravizar. Nunca assumamos que a liberdade, uma vez conquistada, será tida para sempre. É ilusório”, afirmou.

A vice-reitora, Cláudia Carioca, lembrou o revolucionário guineense Amílcar Cabral, cujo centenário ocorre em 2024.

“Amílcar dizia que a educação é uma arma poderosa. Que venham mais guineenses para Unilab, para fazermos formação de excelência e cumprirmos os ensinamentos de Amílcar Cabral”, disse.

LUTA DE LIBERTAÇÃO

Pró-reitora de Relações Institucionais e Internacionais, a guineense Artemisa Monteiro destacou o cenário de luta de libertação nacional, em que temas como pan-africanismo, novo homem, unidade nacional na condução pela luta de libertação e africanização do espírito estiveram fortemente pautados.

“Hoje a Unilab representa uma nova versão da antiga Casa do Império do Estudante, em Portugal. Lá os estudantes se organizaram pela fundação de um nacionalismo de luta por independência. A Unilab representa uma outra versão, da diplomacia e construção do conhecimento. É uma casa de formação de quadros para desenvolvimento dos países da CPLP”, sublinhou.

A pró-reitora de Extensão, Arte e Cultura, Kaline Girão, destacou a honra em participar de momento tão significativo, que marca o histórico de luta e autodeterminação de um povo.

O presidente da Associação de Estudantes Guineenses, Eurico Paulo Santos, reforçou que o objetivo do evento era avaliar os 50 anos de independência, observando o projeto de construção de nação e como foi conduzido.

DEBATES

O debate “Independência da Guiné-Bissau face a geopolítica sub-regional e internacional” contou com o guineense e professor da Unilab, Ricardo Ossagô, e o doutorando em Ciência Política (URGS) Justino Gomes.

Os debatedores traçaram um panorama dos caminhos da independência nacional, observando tratar-se de um processo inserido num movimento político internacional. “Havia um movimento político da negritude nos EUA, África e Ásia”, comenta Gomes.

Entre os problemas de Guiné-Bissau, percebe-se a dificuldade em projetar seu poder econômico e político, com uma política externa tida como “passiva”.

RIQUEZAS

Entre os pontos positivos a serem explorados pelo país estão uma localização geográfica privilegiada, com solo fértil e clima propício à agricultura.

Ossagô chamou atenção para a falta de um projeto político e de desenvolvimento, resultando no que conceitua como “Estado falhado”.

PROJETO DE NAÇÃO

Outro tema bastante importante quando falamos em projeto de nação é a educação. O assunto foi abordado no debate “Política educacional na Guiné-Bissau: processo histórico e desafios atuais”, com os estudantes de Pedagogia da Unilab Tcherno Canté e Marina Blabam, além de Iadira Impanta.

Os participantes apontaram para a necessidade de superar a educação informal, investindo na educação formal, porém diferente da forma como foi implantada no país, em que servia aos interesses dos colonizadores.

A conclusão é de que são necessárias mais escolas, principalmente em zonas rurais, e construir um modelo de educação não autoritário.

Para a desenvolvimento de uma sociedade verdadeiramente democrática, as opressões de gênero precisam ser superadas.

Pensando nisto, ocorreu o debate “Reflexões sobre a construção da política que transforma e fortalece representatividade das mulheres nos espaços estudantis”, com Betinha da Silva, Jair Dju e Sônia Gomes.

AUTONOMIA DAS MULHERES

O debate apontou para a necessidade de modificar a socialização das mulheres, que hoje as leva à subserviência, dificultando a autonomia e o interesse no ensino superior, por exemplo.

“É preciso reconhecer as condições desiguais com que as mulheres vão concorrer com os homens. Precisamos de cotas de gênero, mas não adianta garantir a participação sem dar condições de permanência”, disse Sônia Gomes.

A necessidade de políticas públicas para as mulheres foi pontuada, em especial com relação a problemáticas como casamento forçado e abandono escolar devido a gravidezes.

JUSTIÇA SOCIAL

Proporcionar o acesso pleno a alimentos saudáveis é uma questão de justiça social que foi debatida sob o tema “Agricultura como alternativa do desenvolvimento: como o país pode transformar o potencial agrícola para o combate à fome e em pivô econômico para o desenvolvimento sustentável?”, que contou com Juliano Gomes, Manuel Cardoso e Leodinilde Caetano.

Entre os pontos levantados para a melhoria da situação no país estão a educação, com construção de conhecimento de acordo com a realidade guineense; desenvolvimento sustentável para não colocar em risco as atuais e futuras gerações; melhor aproveitamento da água; modernização da agricultura e relações justas de trabalho no campo; e desenvolvimento de uma cultura alimentar que aproveite os alimentos produzidos em cada região e época, entre outros pontos de melhoria.


Imagem em destaque: os estudantes guineenses reunidos no seminário. Foto: Unilab



Livro ‘Santos, 1989’: clique aqui para saber mais e, se gostar, adquirir um exemplar


GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Um comentário sobre "Guineenses no Brasil celebram os 50 anos da independência de Guiné-Bissau"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 7 =