Material em teste previne contra cáries

Estudo da Universidade Federal Fluminense trabalha na produção de um componente para restaurar o formato do dente e impedir a proliferação das bactérias causadora da doença


Por Ana Carolina Ferreira, da UFF | De Niterói (RJ)

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cárie é a segunda doença mais comum no mundo, afetando cerca de dois terços de toda a população. Ela é composta por bactérias que produzem um ácido destruidor do esmalte dos dentes, e sua aparição está relacionada à má higiene bucal e ao alto consumo de açúcar.

Com o intuito de diminuir os efeitos da doença, o professor Eduardo Moreira da Silva, do Departamento de Odontologia da Universidade Federal Fluminense (UFF), desenvolve uma pesquisa cujo objetivo é produzir um material compatível com a biologia humana que não apenas restaura o formato do dente, mas previne a proliferação da cárie.

RESULTADOS PROMISSORES

Segundo o professor, os resultados do estudo são promissores.

“Temos trabalhos publicados nas revistas científicas Science Direct e Journal of Applied Oral Science, de circulação internacional com alto impacto na comunidade científica, mostrando a eficácia dos materiais desenvolvidos no laboratório da universidade (Laboratório Analítico de Biomateriais Restauradores – LABiom-R)” declara.

O docente pesquisador continua: “Os materiais restauradores desenvolvidos pelo grupo de pesquisa mostraram eficácia, em laboratório, ao evitar o desenvolvimento de lesões de cárie. Isso abre a possibilidade de produção de novos materiais restauradores ativos no combate à cárie”.

PARA DAQUI ALGUNS ANOS

A perspectiva é a de que, em alguns anos, seja possível aplicar o material remineralizante na boca humana.

“A ideia é utilizar o resultado de laboratório para uma aplicação clínica. A aplicação seria similar aos aparelhos ortodônticos: faríamos uma simulação de dentes cariados e aplicaríamos os materiais restauradores na boca. Então, acompanharíamos o processo para verificar a eficácia do produto contra o desenvolvimento de novas cáries”, informa.

O docente explica que a cárie resulta de um processo de dissolução dos tecidos do dente.

“A bactéria”, afirma ele, “produz um ácido e ele dissolve as estruturas dentárias muito lentamente. Após certo tempo, o resultado é a cavitação e, ao chegar nesse estado, é necessário restaurar com algum material. A grande maioria dos materiais que temos disponíveis hoje, em nível mundial, são inertes. Simplesmente fecham aquela cavidade e estabelecem o contorno, a anatomia do dente, mas não repõem os minerais perdidos no processo e não colaboram na prevenção de cáries futuras, e esse é o propósito do estudo”.


Imagem em destaque: registro de tratamento dentário. Foto: divulgação UFF




GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 9 =