Aplicativo ajuda a entender rótulos nutricionais

Desenvolvido pela UFMG, o RotulApp informa sobre excesso de açúcares, gordura saturada e sódio; confira como baixar e usar


Por Luíza França, da UFMG | De Belo Horizonte (BH)

Você confere as informações nutricionais antes de comprar um alimento? E, ao conferir, compreende tudo o que está escrito ali, nas embalagens dos produtos?

Com o objetivo de ajudar os consumidores a lidar com esse tipo de dificuldade e de investigar as opções de “rotulagem nutricional frontal” mais eficazes, pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) criaram um aplicativo de celular que, ao escanear os códigos de barra de alimentos processados e ultraprocessados, informa sobre a presença de nutrientes em excesso, como açúcares, gordura saturada e sódio.

Desenvolvido pelo pesquisador Alessandro Rangel Carolino Sales Silva para ser usado pelo público em situações reais de compras, o aplicativo é parte do doutorado que ele cursa no Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos (PPGCA) da Faculdade de Farmácia da UFMG, sob orientação da professora Lucilene Rezende Anastácio.

O pulo do gato é que, ao ser usado pelos clientes, o aplicativo paralelamente abastece a pesquisa de Alessandro com informações sobre a eficácia das diferentes opções de “rotulagem nutricional frontal” atualmente em uso no Brasil e na América Latina.

Para isso, ao fim do uso, o aplicativo pede que os usuários respondam a um questionário.

“Já contamos com aproximadamente 3.340 produtos industrializados cadastrados em nossa base de dados”, explica o pesquisador.

GRUPO DE PESQUISA

Alessandro Rangel integra o grupo Pesquisa em Ciência de Alimentos e Nutrição (PeCAN) da UFMG, cujos projetos de pesquisa têm estudado, entre outros assuntos, a rotulagem dos alimentos e as formas de comunicação das informações nutricionais, além de potenciais problemas relacionados à utilização das informações básicas disponibilizadas nas embalagens dos produtos.

“A maioria dos consumidores vai ao supermercado e não consegue compreender os dados inseridos nos rótulos dos alimentos”, avalia Alessandro. “Em razão disso, as pessoas fazem escolhas sem que estejam completamente conscientes sobre o que, de fato, estão consumindo”, completa.

Seu projeto de pesquisa é financiado pelo Ministério da Saúde/CNPq e pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig).

Segundo o pesquisador, a estratégia de rotular com advertências a parte frontal de produtos dotados de excesso de nutrientes prejudiciais à saúde tem sido amplamente difundida na América Latina. Países como a Argentina, Chile, Uruguai e México já utilizam ou ao menos já aprovaram a proposta, baseada em um modelo de advertência no formato de octógono preto – por aqui, foi escolhido o modelo de lupa preta.

Um dos objetivos da pesquisa de Alessandro Rangel é mensurar a eficácia dos dois modelos.

Modelo de rótulos que começará a ser obrigatório a partir deste ano. Fonte: Anvisa

“Queremos verificar se o modelo escolhido para o Brasil é, de fato, o melhor ou se o que vem sendo mais usado por outros países da América Latina tem mais eficácia. Ou, ainda, se o controle que existe atualmente, baseado apenas na tabela nutricional e na lista de ingredientes, já seria suficiente para essa compreensão”, pondera o pesquisador.

COMO FUNCIONA O APLICATIVO

O aplicativo funciona de maneira simples: após fazer o download e se cadastrar, o usuário será designado, aleatoriamente, para um dos três padrões de rotulagem em análise na pesquisa: a opção lupa, que é a definida pela legislação brasileira, a opção octógono, adotada por outros países da América Latina e já em uso pelo governo mexicano, ou a opção controle, em que constam apenas a tabela nutricional e a lista de ingredientes.

A partir disso, sempre que utilizar o app no supermercado, a pessoa receberá informações nesse formato definido no momento do cadastro.

CONVITE AO PÚBLICO

“Estamos tendo dificuldades para conseguir número suficiente de usuários”, diz Alessandro, conclamando as pessoas a recorrer ao aplicativo e a responder às questões enviadas pelo grupo no próprio sistema – contribuindo, assim, para a robustez dos resultados que serão alcançados na pesquisa.

“Precisamos que as pessoas baixem o app, façam o cadastro e o utilizem dentro do supermercado, conforme instruções. A ajuda de todos na coleta de dados é fundamental para o levantamento de evidências sobre a eficácia de cada um dos modelos na nossa população”, afirma o doutorando.

Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail do grupo (suporterotulapp@gmail.com), e outras informações podem ser encontradas em suas redes sociais (domínio “@rotulapp”).


Imagem em destaque: identificação do aplicativo RotulApp




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 7 =