Em Cuba, todas as crianças acima de 2 anos estão vacinadas contra a covid-19

Universidade de Oxford aponta o país latino-americano como referência internacional; lá, imunização infantil começou há quatro meses


Por Fernanda Alcântara*, da Página do MST | De São Paulo (SP)

Cuba tem sido um exemplo mundial na área da saúde há décadas e, em relação ao combate a pandemia do novo coronavírus, é o segundo que mais vacinou a sua população.

O país chegou à marca de, segundo o Ministério da Saúde cubano, 93% de sua população vacinada com esquema completo e 58,9% com 4ª dose de reforço.

Ainda no começo do ano passado, ao contrário do Brasil que negou a pandemia de covid-19 e atrasou a compra de vacinas e a produção de uma vacina nacional, o governo cubano organizou um plano nacional de prevenção e controle do novo coronavírus.

Isso incluiu uma quarentena rígida e o acompanhamento de casos por bairros, como lembra o relato da Brigada Internacionalista do MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra] em Cuba.

Cuba lançou sua campanha de imunização em maio de 2021 e avançou rapidamente com sua realização.

Antes do final do mesmo ano, ocupava o primeiro lugar no mundo em relação à média de doses administradas por 100 habitantes por dia.

Já no final de janeiro de 2022, outra grande surpresa chamou a atenção para a ilha: todos os meninos e meninas cubanos a partir dos dois anos já estão vacinados.

Esses altos índices de vacinação favoreceram a reabertura do país para o turismo, ainda no final de 2021.

Em entrevista coletiva, o cônsul geral de Cuba, Pedro Monzón, explicou sobre o processo de reabertura de Cuba ressaltando a importância da vacinação em massa.

“Cuba tem medicamentos únicos no mundo. As vacinas distribuídas em Cuba são efetivas e serão reconhecidas pela OMS [Organização Mundial da Saúde] e a Opas [Organização Pan-Americana de Saúde]”, afirmou.

A eficácia da campanha de vacinação infantil é demonstrada pelos excelentes resultados obtidos.

A decisão de vacinar crianças maiores de dois anos contra a covid-19 colocou Cuba na vanguarda da imunização mundial e permitiu que as aulas presenciais fossem retomadas ainda em novembro do ano passado.

Assim, mesmo sem a obrigatoriedade da vacina, o povo cubano entendeu a importância da vacinação em larga escala.

A ilha começou marcar resultados satisfatórios de acordo com Ministério da Saúde de Cuba: mais de 1,6 milhões de crianças foram vacinadas contra a covid-19, em um total de mais de 3,3 milhões de doses.

Outro dado importante é que nenhuma morte pediátrica foi relatada desde o final da campanha de vacinação, como lembra a especialista Maria Eugenia Toledo, principal pesquisadora do teste clínico Soberana 02, no Instituto Pedro Kourí de Medicina Tropical (IPK). “Soberana” é o nome da vacina aplicada em Cuba, desenvolvida no próprio país.

“Em nenhuma criança foi observada miocardite ou pericardite. Além disso, após a conclusão do processo de imunização, nenhuma criança falecida foi relatada em Cuba”, assinalou.

IMPACTOS SOCIAIS

A defesa da vacinação infantil e os bons resultados de Cuba a este respeito leva em conta não somente os impactos na transmissão do vírus, mas também em termos sociais, porque as crianças voltaram à escola.

Para saber como este impacto, segundo Toledo, é preciso comparar os números de Cuba com outros países.

“Por exemplo, houve um aumento dos casos nos Estados Unidos, Itália e outros países; entretanto, em Cuba, apesar da variante Ômicron, mesmo com um aumento dos casos, os níveis estão bem abaixo daqueles relatados por outros países [que não investiram na vacinação infantil].”

O Nosso Mundo em Dados, site de estatísticas da Universidade de Oxford, ratifica Cuba como a nação número um nessa categoria com cerca de 294,02 doses, à frente do Chile (239,69), Emirados Árabes Unidos (231,98), China (205) e Brasil (164,25).

Inspirada nesse exemplo cubano, a Venezuela começou em novembro a imunizar crianças de 2 anos contra covid-19 com a vacina cubana.

De acordo com o governo cubano, também se destaca a autorização para uso emergencial da Soberana 02 e Soberana Plus para bebês no Irã e Nicarágua.

Com o lema “Vacinado contra o ódio, imunizado com solidariedade”, o governo cubano divulga frequentemente as ações de solidariedade da Ilha a países como a Venezuela.

Cuba é o único país latino-americano e caribenho a produzir sua própria vacina contra a covid-19.

Mesmo no contexto da pandemia, a ilha continua sofrendo com o bloqueio imposto a ela referente a insumos como seringas e agulhas para seguir a vacinação.


*Com informações do Ministério de Saúde, Ministério de Relações Exteriores de Cuba e jornal Granma.

Imagem em destaque: posto de vacinação em Cuba. Divulgação Ministério da Saúde do país.




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 7 =