Chipa, reviro, empanada… Quitutes do Paraguai são tema de pesquisa nutricional

Estudo da Unila e da Universidad Nacional del Este analisou 32 alimentos que compõem dieta básica da população paraguaia


Da Unila | De Foz do Iguaçu (PR)

Chipa, reviro, sopa paraguaia e empanada são alimentos deliciosos e tradicionais no Paraguai e na região da fronteira com o Brasil e a Argentina.

Porém, há poucas informações sobre os seus aspectos nutricionais.

Justamente para lançar luz sobre o tema é que foi realizada uma pesquisa na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila, do Brasil), em parceria com o Centro de Investigaciones Médicas, Facultad de Ciencias de la Salud, da Universidad Nacional del Este (UNE), do Paraguai.

ÁCIDOS GRAXOS

O estudo analisou os ácidos graxos nesses alimentos e em outros 28 produtos que compõem a dieta básica da população paraguaia e que apresentam o maior teor de lipídios.

“Esse é um trabalho inédito”, revela a pesquisadora Marcela Boroski. “Não há na literatura dados sobre a composição em ácidos graxos desses alimentos – chipa, reviro, sopa paraguaia, empanada e mbeyu – presentes na mesa e na cultura paraguaia”.

Além de Marcela, a pesquisa “binacional” foi desenvolvida, no lado brasileiro da fronteira, também pela docente Aline Tocci.

MORADORES DE CIUDAD DEL ESTE

A Unila foi responsável por identificar e quantificar os ácidos graxos presentes nos 32 alimentos apontados por 150 moradores de Ciudad del Este, que responderam a uma enquete sobre seus hábitos alimentares.

A pesquisa identificou e quantificou 32 ácidos graxos saturados e 17 monoinsaturados e polinsaturados nesse grupo de alimentos.

Os dados apresentados “podem contribuir para a melhoria dos hábitos alimentares da população paraguaia, bem como ajudar a combater os fatores de risco comumente associados a maus hábitos alimentares e problemas crônicos de saúde”, diz trecho do estudo, publicado na Revista Chilena de Nutrición.

De uma maneira simples, pode-se considerar que os ácidos graxos (gorduras) saturados são, em geral, “ruins” para o consumo, enquanto os poli ou monoinsaturados podem ser “bons”.

LÁCTEOS

Em relação aos ácidos graxos saturados totais, explica Marcela, a pesquisa identificou que os alimentos lácteos – sorvete, o próprio leite, manteiga, iogurte, muçarela e o pão de queijo – são os que tem maior quantidade.

“Isso indica que pessoas com problemas cardiovasculares deveriam consumir esses alimentos com moderação”, analisa.

AZEITE E CHIPA

O azeite foi o produto que apresentou o maior índice de ácidos graxos monoinsaturados (75%).

“O que já era esperado. Porém, uma coisa bastante interessante foi perceber que a chipa tem quase o dobro desses ácidos em relação ao pão de queijo, ambos alimentos consumidos com a mesma finalidade, um café da tarde, por exemplo”, aponta a pesquisadora.

A chipa, um produto de grande consumo, apresentou 63,8%. A chipa analisada – de uma marca comercial e processada – é preparada com ácido oleico.

“A chipa é um alimento muito tradicional no Paraguai, mas quando feita com queijo inadequado ou mesmo gordura trans, gordura hidrogenada, faz muito mal para saúde. Quando consumida com ácido oleico, no caso da marca analisada, se mostrou saudável”, ressalva. “Esse foi um resultado bastante importante.”

SORVETE E CHIPA GUAZÚ

Também esperado foi o resultado da grande presença de gordura trans no sorvete (5,1%).

“Mas o que chamou a atenção, de maneira negativa, foi a quantidade de gordura trans presente na chipa guazú, também um alimento muito tradicional”, destaca Marcela.

“A equipe paraguaia apresentou um relatório sugerindo a substituição da gordura hidrogenada por outra fonte de gordura, poderia ser o mesmo ácido oleico”, acrescenta a pesquisadora.

Ela explica que um resumo do trabalho realizado pode ser obtido pelos índices de aterogenicidade e trombogenicidade – ambos ligados à relação entre a composição dos ácidos graxos e as doenças cardiovasculares.

Esses índices conferem um selo de saúde à chipa (0,5% e 0,7%), ao reviro (0,1% e 0,3%), à empanada (0,2% e 0,6%) e à sopa paraguaia (0,4% e 0,7%).

QUEIJO PARAGUAIO

Também é interessante, afirma Marcela, a relação entre os índices do queijo colonial paraguaio (3,1% e 3,9%) e a muçarela comum (16,7% e 14,1%).

“Quanto menor o índice, melhor. E esses são os maiores entres os 32 produtos nessa tabela. O queijo paraguaio é uma alternativa interessante para quem está buscando uma alimentação mais saudável e é um alimento que envolve também uma questão cultural”, salienta.


Imagem em destaque: chipa paraguaia, feita com queijo, muito consumida com café. Foto: Unila




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + 4 =