Farmanguinhos passa a produzir o sevelâmer, para doença renal crônica

Laboratório público gradativamente será responsável pela fabricação e fornecimento do medicamento, que custa caro, para os pacientes do SUS

Por Alexandre Matos, do Farmanguinhos/Fiocruz | Do Rio de Janeiro (RJ)

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) entregou os primeiros lotes do sevelâmer com parte do processo de embalagem executada em suas instalações. Esta é mais uma etapa relativa à incorporação da tecnologia deste medicamento, usado no tratamento de Doença Renal Crônica (DRC).

Ao todo, serão fornecidas 786.960 unidades farmacêuticas ao Ministério da Saúde para distribuição no Sistema Único de Saúde (SUS).

O sevelâmer é indicado para o controle do fósforo sérico em pacientes com doença renal crônica, sob diálise. Sua ação diminui a incidência de episódios de hipercalcemia, isto é, excesso de cálcio no sangue que acaba afetando muitos sistemas do corpo humano.

Devido à complexidade tecnológica, e ao alto custo aos cofres públicos, o medicamento foi incluído na lista de produtos estratégicos do Ministério da Saúde.

A produção nacional está sendo viabilizada por uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) envolvendo a Farmanguinhos [laboratório público, da Fundação Oswaldo Cruz] e a indústria nacional Cristália.

Desta forma, a fabricação em Farmanguinhos não só garantirá o abastecimento do SUS, como também promoverá economia aos cofres públicos e possibilitará a ampliação do acesso ao tratamento.

OS PASSOS

Nos primeiros anos da parceria, a empresa parceira fica responsável por toda a fabricação, enquanto que Farmanguinhos internaliza cada etapa por meio de absorção reversa de tecnologia. No caso destes lotes, especificamente, o medicamento foi produzido na Cristália e o Instituto ficou responsável pelo processo de embalagem primária, análise de controle de qualidade, além da logística.

Aos poucos, as demais etapas vão sendo concluídas. A produção em larga escala nas instalações de Farmanguinhos está prevista para acontecer até o fim do ano que vem. Antes, a instituição precisará produzir os lotes-piloto com vistas à inclusão da unidade como local de fabricação, etapa que está prevista para o 1º quadrimestre de 2019. Ao final do processo de absorção, toda a cadeia produtiva será executada na planta industrial do Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM).

Imagem em destaque: equipe apresenta primeiro lote do sevelâmer embalado pelo Farmanguinhos. Foto de Alexandre Matos


GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:

  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco; CPF 257.618.408-12)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp ou telegram: 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 8 =