Pará aprova lei que obriga aviso sobre agrotóxicos nas embalagens

Informações sobre o uso de veneno na produção devem estar nos rótulos, no caso dos produtos industrializados, ou nas caixas que acondicionam itens vendidos a granel

Por Lilian Campelo*, do Brasil de Fato | De Belém (PA)

Na última quarta-feira, dia 10, foi aprovado por unanimidade na Assembleia Legislativa do Pará um projeto de lei (de número 253/2017) que obriga que os produtos alimentares produzidos e comercializados no estado devem conter em suas embalagens a indicação expressa se na sua produção foi utilizado algum tipo de agrotóxico. O projeto segue agora para sanção do governador do Estado, Simão Jatene (PSDB).

De acordo com o projeto, nos rótulos das embalagens devem conter a informação “produzido com agrotóxico”, seja de “produtos processados parcialmente, ou industrializados”, e em “caixas de acondicionamento ou exposição, para produtos comercializados na sua forma natural, no atacado, ou a granel”. A proposta se baseia no Código de Defesa do Consumidor, que estabelece que é dever informar sobre os riscos que determinado produto pode oferecer, cabendo a ele o direito de consumi-lo ou não.

ARROZ NO MARAJÓ

De autoria do deputado estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, ele destaca preocupação com o uso intensivo de agrotóxicos na agricultura brasileira, a exemplo de denúncias recebidas sobre a produção de arroz no Marajó, considerado o maior arquipélago flúvio-marítimo do planeta composto por 16 municípios.

“Aqui no Marajó existe o plantio de arroz que tem sido borrifado na água, porque o arroz é produzido dentro d’água, e estão borrifado com substâncias agressivas e comprometedoras que podem causar doenças extremamente graves. É preciso intensificar na sociedade a consciência ambiental e ecológica, para que as pessoas entendam que nenhum processo produtivo pode ser feito comprometendo a vida humana, o meio ambiente e o a preservação das nossas nascentes e rios”, enfatiza.

SAÚDE PÚBLICA

Sobre o uso de agroquímicos, desde 2008 o Brasil é o principal consumidor de agrotóxicos do planeta, representando 20% do total mundial. Na região Norte o Pará triplicou a comercialização de agrotóxicos por área plantada, entre 2007 e 2013. Os impactos do uso do veneno atingem não somente os consumidores, mas também os agricultores familiares em suas plantações, como relata a trabalhadora rural Ângela Conceição de Jesus, presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Agricultura do Pará (Fetagri).

“A questão dos agrotóxicos é uma questão de saúde pública, ela impacta diretamente em nossas vidas, porque ao ser pulverizada uma plantação, ela atinge a plantação e os arredores dos agricultores familiares que estão produzindo fruticultura, a olericultura, seja qualquer tipo de atividade da agricultura familiar”, explica a trabalhadora.

TRANSGÊNICOS

Para André Rocha, de 39 anos, produtor rural e membro do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Pará, o projeto é importante e deve se somar ao projeto nacional sobre rotulagem de transgênicos. Ele acredita ainda que a proposta pode abrir precedentes para outros estados. Mas o principal, na opinião dele, é que o consumidor poderá perceber que determinado produto que ele consumia teve em sua produção algum tipo de agrotóxico utilizado.

“A gente não vê o veneno na comida, a gente come veneno sem está vendo ele, então eu acho que essa rotulagem expõe o quanto nós brasileiros estamos sendo envenenados a cada dia nos nossos alimentos”, destaca.

Rocha também considera que além de informar ao consumidor, o PL também fortalece os produtos oriundos da agricultura familiar, muitos destes apoiados por movimentos populares que defendem a reforma agrária, a justiça social no campo e possuem experiência de uma “agricultura agroecológica, que na verdade é a agricultura de vida”, enfatiza.

*A matéria contou com a colaboração da jornalista Márcia Carvalho

Imagem em destaque: ação de rua que expõe os males dos agrotóxicos. Foto de Fernando Frazão/Agência Brasil


GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:

  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco; CPF 257.618.408-12)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp ou telegram: 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 4 =