Dois casos que mostram como a lei de cotas democratizou a universidade

Na UFJF, percentual de estudantes negros triplicou em dez anos; na UFG aumentou também o ingresso de indígenas


Por Wagner de Alcântara Aragão (@waasantista) | De Curitiba (PR)

Duas universidades públicas federais – a de Juiz de Fora (UFJF) e a de Goiás (UFG) – publicaram recentemente conteúdo jornalístico sobre os resultados dos dez anos da Lei de Cotas.

Os casos, em ambos, são uma amostra de como essa política afirmativa democratizou o acesso ao ensino superior.

A Lei de Cotas – lei federal 12.711/2012 – foi sancionada em 29 de agosto daquele ano, pela presidenta Dilma Rousseff.

Estabelece a reserva de vagas em cursos superiores de instituições federais de ensino para grupos historicamente excluídos – negros, indígenas e estudantes de baixa renda oriundos de escolas públicas.

A lei deu mais segurança jurídica a políticas afirmativas nesse sentido, que já estavam sendo adotadas por algumas instituições e, ao tornar as cotas obrigatórias, tornou regra a reserva de vagas. Ainda, estimulou a adoção do mecanismo por universidades e governos estaduais.

REVISÃO EM 2022

Conforme previsto pela mesma lei, dez anos depois ela deveria passar por revisão. É o que ocorre agora.

Diante do êxito da política, mas, também, frente a necessidade persistente de ações afirmativas, há movimentos em defesa da manutenção das regras

Dar visibilidade aos benefícios trazidos pelas cotas é uma forma de fazer com que a sociedade compreenda a efetividade dessa ação afirmativa.

NA UFJF, DESDE 2006

Na UFJF, desde 2006 há política de cotas para o ingresso em seus cursos.

Hoje, quase metade dos estudantes (exatos 47%) é de beneficiados pelas cotas.

“O percentual de negros na UFJF triplicou nos últimos dez anos”, ressalta a instituição.

Confira aqui matéria produzida pela assessoria de comunicação da instituição, com mais detalhes.

NA UFG, DESDE 2008

Na UFG, a reserva de vagas passou a vigorar em 2008, e gradativamente foi sendo aperfeiçoada.

Principalmente, a partir de 2013.

“O programa [de cotas”, informa a universidade, “foi direcionado de forma mais específica ao público indígena e quilombola”.

“Atualmente”, continua, “a UFG mantém a criação de vaga adicional para esses grupos, quando há demanda, e reserva 15 vagas no curso de Letras: Libras para candidatos surdos”.

Acesse aqui reportagem especial do Jornal da UFG, que inclusive traz informações de outras instituições de ensino superior.


Imagem em destaque: estudantes cotistas na UFG. Foto: Carlos Siqueira/Secom UFG




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 1 =