Cartilha apresenta a raia-viola brasileira para crianças

Espécie pode ser encontrada do Sul ao Nordeste; entretanto, corre sério risco de extinção. Baixe a publicação aqui, gratuitamente


Por Maíra Menezes, da Fiocruz | Do Rio de Janeiro (RJ)

Classificada como uma espécie em perigo crítico de extinção, a raia-viola é o tema de uma cartilha para crianças elaborada por pesquisadores da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Com o título ‘Brincando de aprender: conheça a raia-viola brasileira!’, a publicação conta com ilustrações e jogos para apresentar informações sobre o animal e os riscos que ele enfrenta, buscando conscientizar sobre a importância da sua preservação.

Coordenadora do projeto, a pesquisadora do Laboratório de Promoção e Avaliação da Saúde Ambiental da Fiocruz, Rachel Ann Hauser Davis, explica que a pesca da raia-viola é proibida devido ao risco de extinção da espécie.

Porém, o animal continua sendo capturado acidentalmente na pesca de arrasto e, muitas vezes, é vendido de forma ilegal.

“A raia-viola é uma espécie bentônica, que habita o fundo do mar. Por isso, é capturada frequentemente nas redes de pesca de arrasto. Raias e tubarões são comumente vendidos sob o nome genérico de cação e essa espécie costuma ser chamada de cação-viola. Além do dano ambiental, o consumo de raias pode apresentar risco à saúde, devido à contaminação, já que esses animais vivem próximo à costa em associação direta com o sedimento e ingerem muitos poluentes”, alerta a pesquisadora.

Com o nome científico de ‘Pseudobatos horkelii’, a raia-viola vive na costa brasileira, desde a região Sul até o começo do Nordeste.

Esses animais se tornam mais vulneráveis ao risco de extinção devido ao longo tempo para amadurecimento sexual: as fêmeas, que podem ter até 110 cm e viver por 28 anos, levam de cinco a oito anos para poder iniciar a reprodução. “Se os animais jovens são pescados, a espécie não tem como se manter”, aponta Rachel.

A pesquisadora ressalta que a preservação das raias é importante para o equilíbrio do ecossistema marinho e a educação ambiental é uma das principais ferramentas para alcançar esse objetivo.

“Traduzir achados complexos de pesquisas para histórias fáceis de entender e envolventes é importantíssimo em ações de conservação. Quando as crianças têm contato com esse tipo de divulgação científica, elas se formam valorizando o meio ambiente e podem disseminar a preservação”, diz Rachel.

ESFORÇOS

A produção da cartilha é parte de um projeto de pesquisa que visa investigar a contaminação de raias e tubarões, mapear as atividades humanas com impacto sobre os animais e os locais onde estes animais habitam, além de implementar esforços de conservação.

A realização do projeto Efeitos de contaminantes persistentes e petrogênicos na saúde e resiliência de raias e tubarões e implicações para a conservação é uma medida compensatória estabelecida pelo Termo de Ajustamento de Conduta de responsabilidade da empresa PetroRio, conduzido pelo Ministério Público Federal (MPF/RJ).


Imagem em destaque: capa da cartilha. Divulgação Fiocruz




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 9 =