Angola acelera para vacinar 60% da população ainda neste ano

Nesta semana, país recebeu lote de 3,5 milhões de doses da farmacêutica chinesa Sinopharm; outros três tipos de imunizantes estão sendo aplicados


Da Angop | De Luanda (Angola)

Angola recebeu, na segunda-feira (dia 29), três milhões e quinhentas mil doses da vacina da Sinopharm, no quadro do processo de aquisição de imunizantes do governo angolano para a vacinação dos cidadãos contra a covid-19.

A meta do Executivo, é vacinar, até ao final do ano, 60 por cento da população alvo.

Segundo o secretário de Estado para a Área Hospitalar, Leonardo Europeu, que falava à margem do acto de recepção das vacinas, com esse lote, aumenta para 8 milhões e 500 mil doses da Sinopharm adquiridas pelo governo.

Para além da aquisição por conta própria, o governo angolano já recebeu, desde março último, mais de 5 milhões de doses em doações de alguns países, no âmbito da Covax (consórcio da Organização Mundial de Saúde) ou de forma unilateral.

MAIS DOSES NAS PRÓXIMAS SEMANAS

Até ao final do ano, o país espera receber mais de sete milhões e 500 de doses e receber mais de 32 milhões de vacinas até o primeiro trimestre de 2022.

Leonardo Inocêncio adiantou que o país tem em estoque doses suficientes para dar continuidade ao processo de vacinação, apelando, por esta razão, a população alvo a se dirigir aos postos.

“Esta é a maior aquisição de vacinas feita pelo governo angolano para dar continuidade ao processo de vacinação no país”, reforçou.

Além da Sinopharm, Angola está a utilizar outros três tipos de vacinas: AstraZeneca, Johnson & Johnson e Pfizer.

Novo decreto presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, a vigorar até 5 de Janeiro de 2022 [por causa da pandemia de covid-19], destaca a interdição de entrada de cidadãos provenientes da Namíbia, Moçambique, África do Sul, Botswana, Lesotho, Zimbabwé, Eswatini e Tanzânia, onde se regista a existência de uma nova variante do vírus.

VOOS HUMANITÁRIOS

O texto, assinado pelo presidente da República, João Lourenço, e já publicado em Diário da República, estabelece a realização de voos humanitários para o resgate de cidadãos nacionais retidos na Namíbia, Moçambique e África do Sul.

No mesmo âmbito, o Executivo prevê a retoma dos voos para a Índia, em Janeiro de 2022, depois de terem sido interditos em maio de 2021.

Entretanto, o novo Decreto Presidencial estabelece, entre outras medidas, a obrigatoriedade de apresentação, a partir de 1º de dezembro, do certificado de vacinação, por parte dos funcionários e prestadores de serviços públicos e privados.


Imagem em destaque: vista do Pormenor da Marginal de Luanda. Foto de Tarcísio Vilela/Angop




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 5 =