Aracaju e os fotógrafos lambe-lambes

Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe resgata origens e como esses profissionais se tornaram icônicos na capital do estado


Por Abel Serafim, da Rádio UFS | De São Cristóvão (SE)

Antes da facilidade das tecnologias, a fotografia era um artigo de luxo. Para ter um registro, ou ia para um estúdio ou procurava uma tenda de foto lambe-lambe. Esta era a opção para as famílias mais pobres, já que foto de estúdio “custava uma nota”.

E a procura, na maioria das vezes, não era para guardar em álbum ou colocar em quadro. Tinha outra utilidade: usar nos documentos. E vantagem: revelação instantânea.

A história dos fotógrafos lambe-lambes, que tornaram a fotografia acessível à maior parte da população, fascinou a pesquisadora Cândida Santos de Oliveira, ainda na graduação em Jornalismo, em 2005, em uma universidade privada de Sergipe. A ideia dela era transformar no Trabalho de Conclusão de Curso, mas não deu certo: faltava tempo. “Guardei o sonho e o reavivei na graduação em história na Universidade Federal de Sergipe [UFS]”, relembra.

Na segunda graduação, ela escreveu um artigo sobre registro lambe-lambe, sob orientação do professor Claudefranklin Monteiro, do Departamento de História da UFS. Ali, ela percebeu que o assunto “tinha pano para manga”.

E tinha, não à toa a dissertação dela no mestrado em História da UFS abordou: “Lentes, memórias e história: os fotógrafos lambe-lambes em Aracaju 1950-1990”. A defesa ocorreu no ano passado.

Nesse trabalho, também orientado por Monteiro, Cândida mostrou a importância social dos fotógrafos lambe-lambes na história da capital sergipana e a marginalização da atividade em um cenário de tensão com o poder público.

A agora mestra ainda abordou os efeitos da evolução tecnológica, que culminaram no declínio da foto lambe-lambe, e a adequação dos profissionais aos novos tempos da fotografia em meio a condições precárias, como falta de espaço adequado.

Para contar a história, ela realizou entrevistas com pessoas ligadas à temática, como fotógrafos e memorialistas. Consultou também materiais acadêmicos, livros, revistas e imagens.

OS PRIMEIROS LAMBE-LAMBES DE ARACAJU

Os registros dos primeiros fotógrafos em Aracaju apareceram 18 anos depois da fundação, em 1873. Na época, os fotógrafos vinham de temporada para a recém-capital do estado. E anunciavam a passagem nos jornais.

Em Aracaju, os fotógrafos lambe-lambes surgiram na década de 1930.

Antes deles, segundo a pesquisa, “já existia a fotografia para as famílias mais abastadas, que tinham condições de pagar por fotos realizadas em estúdios”.

“Para além das fotos dos estúdios, as imagens produzidas pelas máquinas lambe-lambes ganham importância e relevância social na medida em que muitas vezes o seu ofício era o único meio que permitia o acesso para a população de menor poder aquisitivo, que precisava de fotos para fins práticos, como documentos, registrar o local que visitou e o envio da fotografia para parentes e amigos”, escreveu a pesquisadora.

PRESENÇA NA CAPITAL DE SERGIPE

Inicialmente, eles se concentraram na Avenida Coelho e Campos, na antiga Viação Férrea Leste Brasileiro.

Com a inauguração da nova estação no bairro Aribé, hoje, Siqueira Campos, em 1950, eles foram transferidos para a praça General Valadão.

Segundo o trabalho, como forma de garantir espaço físico e comercial, os fotógrafos montaram tendas com “equipamento básico – câmera de madeira e fole, com tripé, um balde, uma lona que servia como fundo neutro para as fotos, uma toalha e uma tesoura” e as nomearam “como se fossem estabelecimentos comerciais fixos e foram se proliferando”.

RETRATISTAS DE FOTOS INSTANTÂNEAS

Entre as décadas de 1950 e 1980, cresceu a procura por fotos instantâneas na capital. “A população procurava esses retratistas, pois queriam fotos para serem utilizadas em documentos de identificação”, afirma Cândida.

Além dos formatos 2×2, 2×4, 3×4, existiam outros adequados para postais, “que geralmente eram guardados como recordação e enviados aos parentes mais distantes, para a namorada ou para ilustrar algum quadro na parede de casa”.

TRANSFERÊNCIA DE PONTO

Apesar da movimentação comercial, a relação dos profissionais com o poder público não era das melhores. Em 1969, eles foram remanejados da Praça General Valadão para a Avenida Coelho e Campos sob argumento da visita do presidente Emílio Garrastazu Médici.

“O único hotel de Aracaju que poderia receber um presidente era o Hotel Palace. Esse presidente chega a Sergipe, os fotógrafos são tirados da Praça General Valadão e eles vêm para o mercado”, pontua Cândida. Os fotógrafos lambe-lambes ficavam em frente ao hotel, que acomodava a elite da época, apontou o estudo.

A falta de espaço para os profissionais nos mercados Thales Ferraz, Antônio Franco e Maria Virgínia Leite Franco (denominação atual), inaugurados em 2000 após reforma e ampliação, provocou insatisfação.

“O mercado ficou lindo, mas não houve uma preocupação em deixar um espaço para que os que queriam continuar na profissão pudessem desenvolver suas atividades”, explica Oliveira.

ATÉ 2018

Segundo o estudo, os lambe-lambes precisaram pagar aluguel e dividir espaço com box de utilidades para continuar na área. Isso até 2018, quando a dona do local resolveu romper o contrato e ceder para um barbeiro.

A saída, segundo relatos colhidos pela pesquisadora, foi montar uma tenda ao lado do box para manter a clientela.

Cândida Oliveira lembra que os fotógrafos lambe-lambes, como as pessoas conheceram até os anos 2000, com caixote e tripé, não existem mais.

VERSÃO MODERNA

No entanto, alguns permanecem no mercado central e adotam a máquina digital e impressora para entrega de foto instantânea, mesmo com estrutura precária: faltam iluminação, maquinário e espaços adequados, de acordo com a pesquisa.

“Então, eles resistem de forma mais moderna, mas a gente vê uma postura de manter viva a tradição das pessoas de irem ao mercado [para] se fotografar e receber essa imagem em poucos minutos”, destaca a pesquisadora.

ORIGEM

A pesquisa mostra que a origem do termo lambe-lambe é diversa.

Segundo as versões reunidas, os fotógrafos lambiam os equipamentos para acelerar a fixação da imagem, reconhecer o lado correto da chapa de metal (gravação da imagem), identificar a emulsão da película fotográfica para evitar perda da foto por falta de foco ou nitidez.

Também há uma linha que acredita que o termo esteja associado ao ferrótipo, um processo que, segundo o estudo, possibilitou “obter diretamente imagens em positivo” e permitiu “aos fotógrafos ambulantes trabalhar em diversos espaços públicos das cidades”.

Além da versão folclórica: “O fotógrafo oferecia brilhantina para pentear os cabelos dos clientes do sexo masculino, deixando-os com aparência de “cabelo lambido””.

Na capital sergipana, a fotografia lambe-lambe também tinha outro nome: foto oiti.

“Esse termo tem como enfoque a concentração destes [fotógrafos] era localizada sob as copas de árvores oitizeiros, nas quais eram presentes na praça General Valadão. Esta árvore produz o fruto denominado oiti, daí o nome de ‘Foto Oiti’”, conforme assinala a dissertação.

IMPORTÂNCIA DA PESQUISA

Orientador do trabalho, o professor Claudefranklin Monteiro salienta que a pesquisa buscou resgatar um aspecto histórico desconhecido ou invisibilizado da cidade.

“Impressionante a gente perceber como esses objetos de pesquisa vão mergulhar em camadas da memória de Aracaju e descobrir sujeitos que foram importantes para a sociabilidades e a forma de lidar com registro fotográfico”, avalia.

“Então, o lambe-lambe não é em si o objeto, mas os sujeitos que desenvolveram e implementaram uma técnica no centro de Aracaju e, assim como muita coisa, esses sujeitos e suas práticas foram engolidos pela chamada modernidade da capital sergipana”, destaca.

Para ler a dissertação, clique aqui.


Imagem em destaque: lambe-lambes na Avenida Coelho Campos. Foto de Lineu Lins, publicada na pesquisa




GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 7 =