Novo surto de covid-19 na Europa é alerta para o mundo

Inclusive para o Brasil. Advertência é da Organização Mundial de Saúde. Países estudam medidas para conter disseminação


Por Tiago Pereira, da Rede Brasil Atual, com informações da Agência Brasil | De São Paulo (SP) e Brasília (DF)

O diretor executivo do Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, afirmou nesta terça-feira (9) que a batalha da Europa contra a covid-19 é uma “chamada de alerta” para o resto do mundo.

Apesar de os principais países do continente estarem com médias de imunização em torno de 70%, o vírus não deixou de circular e os europeus têm enfrentado nas últimas semanas uma pandemia entre “não vacinados”.

Ryan afirma ainda que a alta de contaminação entre esse grupo deve servir de aviso àqueles que ainda resistem em aderir ao esforço de imunização.

“É muito importante refletir sobre o exemplo da Europa, que representou mais da metade dos casos globais na semana passada. Mas essa tendência pode mudar (com a vacinação)” disse o especialista.

A recente aceleração nas infecções é atribuída à disseminação da variante delta.

Diante do quadro, as autoridades europeias temem o pior com a aproximação do inverno, estação propícia à disseminação do novo coronavírus.

Nesse sentido, vários países estão se preparando para retomar as medidas restritivas aplicadas anteriormente, antes das flexibilizações que vieram com o verão e o aumento da vacinação.

FRANÇA

O presidente francês, Emmanuel Macron, determinou que idosos deverão tomar a dose de reforço, se quiserem estender a validade do passaporte sanitário.

As novas regras passam a valer a partir da próxima segunda (15), para pessoas com mais de 65 anos.

A comprovação de vacinação é exigida para o acesso a estabelecimentos como cafés, restaurantes, museus e teatros. Além disso, a obrigatoriedade do passaporte vacinal foi estendida pelo parlamento francês até 31 de julho de 2022.

Até o momento, 68,8% da população francesa está completamente imunizada, de acordo com o portal Our World in Data . No entanto, desde outubro o país vem registrando aumento das infecções, com taxa de incidência de 62 casos por 100 mil habitantes, acima do limite de alerta. “A Europa voltou a ser o epicentro da pandemia”, lamentou o porta-voz do governo francês, Gabriel Attal.

ALEMANHA

A situação é ainda mais grave na vizinha Alemanha, onde, na segunda-feira (8), a taxa de infecção diária de covid-19 subiu para 201,1 casos por 100 mil pessoas. É a maior desde o início da pandemia. Isso apesar do avanço da vacinação, que também atinge 67,1%.

Para conter a transmissão, o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, anunciou que todos os cidadãos no país serão elegíveis para a dose de reforço da vacina, logo que se passem seis meses da segunda dose.

“A quarta onda da covid-19 no país está agora em pleno vigor”, assinalou.

REINO UNIDO

Ao contrário de França e Alemanha, o Reino Unido tem resistido à volta de medidas restritivas, como uso de máscaras ou passes de vacinas.

Um assessor do governo de Boris Johnson disse que o país “está muito longe” de cogitar novo confinamento durante o inverno.

No entanto, apesar da queda de 16,6% na semana passada no total de novos casos, as mortes pela covid aumentaram 8,2% entre os britânicos.

Por lá, a imunização completa chegou a 69%, mas as autoridades apostam na dose de reforço para conter um novo avanço da doença. A terceira dose vem sendo aplicada em pessoas com mais de 50 anos, com comorbidades, profissionais da saúde e cuidadores de idosos.

DEMAIS PAÍSES DA EUROPA

Na Áustria, desde a semana passada, pessoas que não foram vacinadas estão impedidas de entrar em cafés, restaurantes e cabeleireiros. A partir do próximo final de semana, qualquer evento que reúna mais de 25 pessoas está proibido.

Países como Rússia, Ucrânia e Grécia também voltaram a registrar recordes em novos casos.

Já na Romênia e a Bulgária, preocupa a baixa taxa de imunização, de apenas 40% e 27%, respectivamente.

NO BRASIL

No Brasil, 58,3% da população está completamente imunizada, ainda distante dos 80% recomendados pela OMS para conter a disseminação da covid-19, atrás de países como Camboja (86,5%), Malásia (75,1%) e Arábia Saudita (63,5%).

Por outro lado, o estado de São Paulo foi o primeiro a alcançar, nesta terça-feira (9) o índice de 70% da população com o ciclo vacinal completo.

Nesse sentido, São Paulo e outros oito estados não registraram óbitos pela doença ontem.

Dados atualizados em 9 de novembro, do Conass.

Especialistas relacionam o feito ao avanço da vacinação.

“Sabemos que há variações no registro, sabemos que há atraso, sabemos de tudo isso… Mas que é uma ótima notícia, ah é… Obrigado vacina!”, comemorou o epidemiologista Pedro Curi Hallal, pesquisador e ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Nesta terça, o Brasil registrou 183 óbitos confirmados pela covid-19, totalizando 609.756 desde o início do surto, em março de 2020. Segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), os novos casos confirmados nas últimas 24 horas chegaram a 10.948.


Imagem em destaque: uso de máscara, em locais públicos, mesmo abertos, é fundamental para a prevenção. Foto de Fernando Frazão/Agência Brasil




GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 2 =