A força dos investimentos da China nos países africanos

trabalhadores chineses na África década 1970

Série de trabalhos científicos desconstrói narrativa de que atuação seria uma forma de “neocolonialismo”. Levantamento é do Coletivo Qiao


Por Alessandra Scangarelli Brites, editora da Revista Intertelas | De Niterói (RJ)

O Coletivo Qiao, em suas últimas postagens, publicou uma compilação de artigos, documentos e livros em inglês sobre a relação entre a China e a África.

Trata-se de uma relação que, segundo seus organizadores do levantamento, desafiam as ideais ocidentais hegemônicas que afirmam ser tal cooperação “neocolonialismo” chinês, ou “diplomacia da armadilha da dívida”.

“Como essas leituras deixam claro, tais narrativas servem principalmente para obscurecer a hegemonia financeira e militar ocidental em curso no continente africano, onde o Estado chinês e os investimentos privados continuam sendo relativamente recém-chegados e a presença militar chinesa é quase inexistente“, salientam.

O coletivo segue argumentando que embora o investimento chinês significativo na África seja orientado por interesses comerciais privados, essas leituras também mostram que os investimentos estatais da China fornecem oportunidades únicas para os interesses trabalhistas, ambientais e de desenvolvimento nacional dos países africanos.

“Eles promovem uma alternativa importante, embora imperfeita, ao investimento predatório ocidental. Da mesma forma, a participação africana na Nova Rota da Seda tem o potencial de gerar bilhões de dólares em infraestrutura, o que há muito tem sido um obstáculo para a independência econômica e o desenvolvimento sustentável da África”, afirmam.

Entre os principais objetivos do Qiao Collective está “desafiar a crescente agressão dos Estados Unidos contra a República Popular da China e equipar o movimento anti-guerra dos EUA com as ferramentas e análises para melhor combater o acirramento de um conflito da Nova Guerra Fria com a China”.

O coletivo ainda procura ser “uma ponte entre a esquerda dos EUA e o rico trabalho e pensamento político marxista e anti-imperialista da China, a fim de promover uma consideração crítica do papel do país asiático e do socialismo com características chinesas na geopolítica contemporânea”.

Para ter acesso ao material referente as relações sino-africanas selecionado, em inglês, acesse o site do Qiao Collective (clique aqui).


Imagem em destaque: trabalhadores chineses e africanos trabalham no canteiro de obras da ferrovia Tazara. Na década de 1970, a China enviou especialistas e cerca de 15 mil trabalhadores para ajudar a construir a ferrovia estratégica, que ligava Dar es Salaam, na Tanzânia, ao centro da Zâmbia, e reduzir a dependência comercial regional da Rodésia do apartheid e da África do Sul. Crédito: reprodução do Qiao Collective.




GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 2 =