Incêndio da Cinemateca, leilão do acervo da TV Manchete e o patrimônio audiovisual ao deus-dará

Filmes, fitas de novelas, grandes reportagens e programas de auditórios; e ainda documentos como roteiros e outros registros não podem ficar sob a lógica do mercado


Por Wagner de Alcântara Aragão, especial para a Revista Intertelas | De Niterói (RJ)

A notícia do leilão do acervo da TV Manchete e o incêndio de um dos depósitos da Cinemateca Brasileira são dois episódios recentes que mostram como o patrimônio audiovisual do país está ao deus-dará.

Mais ainda: mostram como estamos impotentes para reverter essa situação de descaso, em parte deliberada, em parte consequência da falta de uma cultura de preservação da nossa memória, nossa história, nossas obras.

Para além de irmos à porta da Cinemateca, em São Paulo, e de nos manifestarmos pelas redes sociais, o que está a nosso alcance fazer? É preciso pensar em alternativas.

Como conseguir salvar o que ainda resta?

É preciso unir forças e encontrar soluções práticas e urgentes.

Não é possível que vamos deixar as mais de 25 mil fitas da Manchete, de produções emblemáticas da história da televisão brasileira, ficarem à mercê da lógica de mercado – quem der mais, leva.

Porque as novelas “Pantanal”, “A História de Ana Raio” e “Zé Trovão”, “Kananga do Japão” e “Dona Beija”; minisséries como “Marquesa de Santos” e “O Canto das Sereias”; as transmissões de desfiles das escolas de samba, reportagens do “Documento Especial”, o humor do “Cabaré do Barata”, só para citar alguns exemplos, são bens culturais nacionais, de interesse público.

Expressam concepções estéticas e artísticas; enredos e conteúdos que são obras de seus realizadores, mas são igualmente a síntese de uma sociedade. Da nossa sociedade.

As toneladas de papeis e fitas queimadas pelo fogo no galpão da Cinemateca na Vila Leopoldina não são apenas escritos e filmagens feitas por pessoas, grupos e instituições.

São documentos, que materializam o que fizemos, pensamos, difundimos, criamos… O acervo da TV Manchete, os arquivos da Cinemateca Brasileira são uma parte da gente. Destruí-los é um processo de automutilação.

Em tempo 1: segundo a Revista Piauí, o leilão do acervo da TV Manchete, que deveria ter ocorrido entre os dias 3 e 19 de maio, não teve interessados. Terá de ser remarcado. Temos chance de pensar em uma saída que assegure a preservação e a democratização do acesso a esse bem de valor de imensurável.

Em tempo 2: o incêndio do galpão da Vila Leopoldina (zona leste da capital paulista) da Cinemateca Brasileira ocorreu em 29 de julho. Em 7 de agosto, atos em várias cidades do país foram realizados em protesto contra o descaso do governo federal para com o órgão.


Imagem em destaque: cena de ‘Pantanal’, um dos clássicos da dramaturgia brasileira. produzida pela TV Manchete




GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco). Ou pelo Pix: redemacuco@protonmail.com
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 2 =