Reúso da água de casa irriga produção de alimentos em Sergipe

Projeto Bioágua Familiar, da UFS, viabiliza que quintal das residências se tornem áreas para agricultura ecológica durante todo o ano


Por Débora Melo, do Campus Sertão da UFS | De Nossa Senhora da Glória (SE)

Duas famílias que vivem no sertão sergipano tiveram significativo aumento de produção agrícola em seus quintais da ordem de 410,5%.

O aumento da produção é resultado do Projeto Reúso de Água para Fomento de Quintais Produtivos no Semiárido do Nordeste do Brasil: Produção e Renda, Empoderamento da Mulher Camponesa e Fortalecimento da Agricultura Familiar, posteriormente batizado de “Bioágua Familiar Sergipe”.

Coordenado pelo professor Antenor Aguiar, do Departamento de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de Sergipe (DEA/UFS), com o financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o projeto promove uma tecnologia social chamada de Sistema Bioágua Familiar.

Assim, duas famílias que vivem na Colônia Hebert de Souza, localizada no município de Poço Redondo (SE), e no Povoado São Domingos, município de Feira Nova(SE), passaram a tratar de maneira adequada a água e reutilizá-la.

Depois do escoamento, as chamadas “águas cinzas” passam por um filtro biológico composto por húmus de minhoca, raspas de madeira, areia lavada, brita e seixo rolado.

Em seguida, a água é armazenada, bombeada e utilizada nos quintais produtivos das duas famílias, por meio de sistema de irrigação de gotejamento xique-xique.

“Após a construção dos sistemas de reúso de águas cinzas, uma das famílias introduziu em seu quintal novas culturas, chegando a plantar 13 espécies vegetais, enquanto a segunda família chega a cultivar 31 espécies em seu quintal produtivo”, comemora o professor Antenor Aguiar.

[Em outros estados nordestinos, há iniciativas semelhantes de Bioágua Familiar, como esta desenvolvida no interior pelo Instituto Federal do Ceará em Cratéus. O vídeo explica como funciona o reaproveitamento]:

De volta ao projeto da UFS, além do coordenador, a equipe conta com as pesquisadoras Patrícia Rosalba Moura Salvador, Thaís Nascimento Meneses, Felipe Tenório Jalfim, e com o estudante de Engenharia Agronômica Vitor Carvalho Santos.

“O uso da irrigação faz com que os quintais se tornem produtivos durante todo o ano e, por consequência, favorece o fornecimento constante de alimentos para as famílias. Além disso, o excedente da produção pode ser comercializado com a vizinhança, o que gera renda para os agricultores”, explica o coordenador do geral projeto.

AGROECOLOGIA

Antenor Aguiar acrescenta que por serem produzidas de acordo com os princípios agroecológicos, as frutas, verduras e hortaliças favorecem a segurança alimentar e ainda contribuem para a redução da poluição ambiental acarretada pelo despejo incorreto de esgoto doméstico.

Outro benefício da tecnologia adotada para a saúde da população é o destino correto das águas cinzas produzidas pelas famílias, que antes eram despejadas no meio ambiente sem qualquer tratamento prévio.

“A eliminação do efluente doméstico proporciona a redução de insetos, de sapos e de cheiro desagradável, o que eleva os níveis de saúde e a qualidade de vida. A chegada do reúso, além de responder à problemática ambiental junto com a assistência técnica, possibilitou a produção de cultivos agrícolas baseados nos princípios agroecológicos, tornando o quintal verde uma realidade no semiárido”, completa a professora Patrícia Rosalba, pesquisadora do projeto e responsável pelo trabalho desenvolvido referente às questões de gênero.

EMPODERANDO FAMÍLIAS E MULHERES

Além de ser sustentável e gerar renda, a tecnologia promove ainda o protagonismo das mulheres no processo produtivo.

É o que conta a professora Patricia Rosalba, que é também professora do campus do Sertão e coordenadora do grupo de pesquisa XiqueXique – Grupo de Pesquisa Gênero e Sexualidade.

“Apesar de terem frequentemente suas experiências e seu trabalho invizibilizados, as mulheres do campo têm papel fundamental na produção agrícola familiar. Assim, ao fomentar quintais produtivos, os sistemas de reúso de águas cinzas promovem não só o fortalecimento da agricultura familiar, mas também empoderam as mulheres camponesas, as quais passam ser responsáveis por uma parte maior ainda da renda de suas famílias”, resume a pesquisadora.


Imagem em destaque: os frutos do projeto. Divulgação UFS


GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 8 =