Festa Nacional do Fandango Caiçara de Paranaguá, pela internet

Tradicional evento tem a 11ª edição entre os dias 15 a 17 de agosto. Além das apresentações artísticas, haverá debates


Por Wagner de Alcântara Aragão (@waasantista) | De Curitiba (PR)

Patrimônio cultural imaterial registrado pelo Iphan desde 2012, o fandango caiçara terá seu tradicional festival exclusivamente pela internet, neste ano.

Deste sábado, dia 15, até segunda-feira, dia 17, ocorre a 11ª Festa Nacional do Fandango Caiçara de Paranaguá, com programação que inclui apresentações de diversos grupos e debates e reuniões sobre cultura e sobre a preservação desse patrimônio.

A transmissão das atividades se dará pela página do evento no facebook: Fandango Paranaguá.

Confira a programação:

Noites de sábado e domingo de muito fandango caiçara

De acordo com o Iphan [Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, órgão público federal], o Fandango Caiçara tem maior concentração entre o litoral sul de São Paulo e o litoral norte do Paraná.

Entretanto, há recorrência também no litoral norte paulista e na costa sul do Rio de Janeiro (região de Parati, principalmente).

“[O fandango caiçara] possui uma estrutura bastante complexa e se define em um conjunto de práticas que perpassam o trabalho, o divertimento, a religiosidade, a música e a dança, prestígios e rivalidades, saberes e fazeres”, informa o Iphan.

Algumas características, ainda segundo o órgão de preservação:

  • O fandango caiçara se classifica em batido e bailado ou valsado, cujas diferenças se definem pelos instrumentos utilizados, pela estrutura musical, pelos versos e toques.
  • Nos bailes, como são conhecidos os encontros onde há fandango, se estabelecem redes de trocas e diálogos entre gerações, intercâmbio de instrumentos, afinações, modas e passos viabilizando a manutenção da memória e da prática das diferentes músicas e danças.
  • O fandango caiçara é uma forma de expressão profundamente enraizada no cotidiano das comunidades caiçaras, um espaço de reiteração de sua identidade e determinante dos padrões de sociabilidade local.
  • O fandango para os “sitiantes-caiçaras”, se apresentava como o espaço da “reciprocidade”, onde o “dar-receber-retribuir” constituía a base de suas socialidades, marcada pelas dimensões familiares, de compadrio e vizinhança.

O Iphan acrescenta:

“Tal qual é vivenciado atualmente, nesta região, resultou de um específico processo histórico-social consolidado, sobretudo, a partir do final do século XIX, com a formação dos núcleos de povoamento chamados “sítios”. A partir dos modos de vida configurados nesses espaços, o fandango adquiriu seus contornos, estando ligado a atividades rurais baseadas na roça, na pesca e no extrativismo.”


Imagem em destaque: um dos registros dos bailes. Foto: Iphan


GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 3 =