A vida e obra de Lélia Gonzalez

Projeto na UFPB resgata trajetória e produção intelectual da professora mineira, para subsidiar ensino afro-brasileiro


Por Jonas Lucas Vieira, da Ascom da UFPB | De João Pessoa (PB)

O projeto de pesquisa “Mulher Negra: trajetória de Lélia Gonzalez e sua importância para os estudos das relações étnico-raciais”, do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), evidencia a relevância da antropóloga Lélia Gonzalez para o ensino afro-brasileiro.

Formada em História e Filosofia, mestra em Comunicação e doutora em Antropologia, a professora mineira – autora de obras como “Lugar de Negro” e “Festas Populares do Brasil” – atuou, até sua morte no ano de 1994, em favor de demandas das mulheres negras relacionadas ao ambiente de trabalho e sobre a condição e inserção delas na sociedade.

“No âmbito acadêmico, ressaltamos que mulheres negras, a exemplo de Lélia Gonzalez, passaram a ocupar espaços de fala. Os escritos delas refletem sobre como o racismo opera em diferentes setores, tratando-se de uma questão estrutural, relativa à sociedade brasileira como um todo”, destaca a professora Amanda Marques, coordenadora do projeto.

Para a docente da UFPB, apesar de ser tardia e recente a recepção de estudos das mulheres negras nas universidades e faculdades brasileiras, eles têm alcançado repercussão acadêmica e se tornado fundamentais para o entendimento dos lugares de existência delas e da população brasileira.

“Assim como Lélia Gonzalez, outras mulheres negras se pronunciaram e se pronunciam quanto à condição social no Brasil. Nomes como Clementina de Jesus, Carolina Maria de Jesus, Sueli Carneiro, Conceição Evaristo, Djamila Ribeiro, Neusa Santos Souza e Beatriz Nascimento merecem destaque. Mas há muitas negras em diferentes áreas de atuação”, enfatiza Amanda.

O debate sobre a condição da população negra está relacionado à história recente do Brasil, que é marcada pelo processo de redemocratização do país e pela promulgação da Constituição de 1988.

Por meio dela, houve o reconhecimento formal de direitos e garantias sociais. Com a ordem institucional democrática, os movimentos sociais foram fortalecidos e possuem amparo nas lutas pela afirmação de direitos e garantias.

NAS ESCOLAS

Com a regulação da Lei 10.639/2003, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e da Lei 11.645/2008, surgiu a inclusão do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena no currículo oficial do Brasil.

Essas leis, ainda vigentes, repercutem na educação brasileira e ampliam o compromisso formal, público e institucional com princípios como cidadania e pluralidade.

“Nesse sentido, a indispensável inserção de temáticas étnico-raciais no currículo escolar oportuniza uma formação escolar e acadêmica que aponte para a igualdade racial, configurada como uma política de Estado”, diz a professora da UFPB.

Amanda Marques ressalta que o projeto de pesquisa da instituição buscará compreender a trajetória de Lélia Gonzalez e propiciará ensinamentos sobre o processo de liberdade através da educação.

“Os escritos e a militância dela são tomados como libertários. Uma mulher negra que teve atuação importante na produção acadêmica e na organicidade de movimentos sociais, notadamente do Movimento Negro Unificado (MNU).  Pretendemos discutir a questão étnico-racial e a condição da mulher negra a partir das obras ‘Lugar de Negro’ e ‘Racismo e sexismo na cultura brasileira’”, pontua a professora.

Além de Amanda Marques, o projeto conta com a participação da professora Josineide Bezerra e das pesquisadoras Vivianne de Sousa e Camila Duarte. O grupo pretende produzir um catálogo com textos de Lélia Gonzalez para estimular reflexões e ações no ensino de Geografia, História e Relações Étnico-Raciais.

“É preciso contribuir para o encontro da escola com lugares de fala de pessoas e grupos que foram (e são) excluídos e não visibilizados, como a mulher negra. Sou professora do Colégio Agrícola da UFPB e tenho atuação com estudantes da Educação Básica, que é um espaço de formação complexo diante do público adolescente. O projeto reforça a importância da diversidade, o que é indispensável no ambiente escolar”, endossa a professora Josineide Bezerra.

BIOGRAFIA

Lélia Gonzalez nasceu em 1º de fevereiro de 1935, em Minas Gerais.

Filha do negro ferroviário Accacio Serafim d’ Almeida e da doméstica indígena Orcinda Serafim d’ Almeida. Era a penúltima de 18 irmãos. Com a mãe, recebeu lições sobre independência e emancipação enquanto mulher brasileira filha de negro e indígena.

Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde obteve o primeiro emprego como babá. Graduou-se em História e Filosofia para exercer a função de professora da rede pública.

Concluiu o mestrado em Comunicação Social e fez o doutorado em Antropologia. Viúva de Luiz Carlos Gonzalez, enfrentou preconceitos da família branca dele. Dedicou-se às pesquisas sobre classe, raça e gênero. Professora universitária, deu aulas sobre “Cultura Brasileira” na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.


Imagem em destaque: Lélia Gonzalez em ato contra o racismo, em 1983, no Rio de Janeiro. Foto de Januário Garcia/Reprodução Revista Cult


GOSTOU DO MACUCO?
Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:
  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 8 =