“Nelsão” e a lista de motivos para se defender o SUS

Em seminário voltado procuradores do Ministério Público, Nélson Rodrigues dos Santos, um dos mais entendidos no assunto, mostra a importância do sistema brasileiro.


Por Wagner de Alcântara Aragão (@waasantista) | De Curitiba (PR)

O Sistema Único de Saúde (SUS) beneficia brasileiros e brasileiras de todas as classes sociais, de todas as faixas etárias.

E, para 75% da população, o SUS é a única opção de assistência em saúde.

Só esse fato já é suficiente para se defender o sistema, não?

Sim, mas além desse há uma série de outros razões para que o SUS seja percebido como uma conquista e patrimônio nacional que não pode ser destruído.

Quem faz a lista de motivos em defesa do SUS é um dos nomes que mais entende do assunto, o médico Nélson Rodrigues dos Santos – com décadas de experiência na saúde pública, como militante, gestor, acadêmico e consultor.

“Nelsão”, como é chamado por colegas em virtude da grandeza de sua atuação, foi o conferencista no encerramento do seminário “SUS: contextualização, cenários de crise e possibilidades de atuação do Ministério Público”, ocorrido na semana passada (24 e 25 de outubro) na sede do Ministério Público do Estado do Paraná, em Curitiba.

Em síntese, “Nelsão” apresentou o seguinte ao público presente:

  • Metade da população brasileira, que antes da criação do SUS (pela Constituição de 1988) era desassistida em saúde, rapidamente passou a ser amparada pelo sistema. “Numa velocidade muito grande, essa população passou a ser atendida pelos postos ambulatoriais [do antigo Inamps]. O princípio da universalização entrou nos corações e mentes. Em uma década, estados e municípios cumpriram a universalização.”
  • “Em atenção básica, o SUS se mostrou extremamente produtivo e eficiente. Várias pesquisas de diversos países, da Organização Mundial de Saúde, e outros organismos comprovavam isso”
  • “Mas não se cresceu em diagnóstico e tratamento precoces, nem em média complexidade. As estatísticas sobre filas de espera são desumanas”.
  • “Ainda assim há ‘ilhas’, ‘nichos’ de experiências exitosas, que [mesmo com as dificuldades dos últimos três anos] seguem referência.”
  • “A maior parte dos Caps, por exemplo, estão nivelados por cima, é o que há de melhor na maior parte do mundo.”
  • “O Samu, apesar de estar sofrendo com a falta de ambulâncias novas, é o melhor sistema de atendimento de urgência, usado até pelos usuários dos planos privados.”
  • “Em aids, o Brasil também continua como vitrine, apesar de ameaças de retrocesso”
  • “O sistema de transplante e órgãos [também é eficiente]””A rede de hemocentros [é modelo].”
  • “A distribuição de medicamentos, apesar de estar sendo diminuída, é outro nicho de excelência.”
  • “Os planos de imunização e vacinação são de fazer inveja para o mundo.”
  • “A vigilância sanitária é outra ilha de excelência.”

Além dessa dezena de considerações, “Nelsão” sublinhou o “saber acumulado” nesses 30 anos de existência do SUS.

Trata-se de uma série de políticas públicas e inovações desenvolvidas por gestões Brasil adentro, que costumam ser expostas em seminários e congressos de saúde pública, e que mostram o quanto se avançou e o potencial de desenvolvimento a ser explorado.

“É um volume de práticas que tem de ser consideradas”, clamou.

O especialista observa ainda que os trabalhadores do SUS são verdadeiros militantes, defensores do sistema, e que essa cultura de valorização tem se transmitido ao longo do tempo. “Estamos na terceira geração [desde a criação do SUS], que herdou a militância, a tenacidade em defesa do SUS.”

Nélson Rodrigues dos Santos enfatizou, por outro lado, ser imprescindível o país aplicar bem mais do que destina hoje ao sistema de saúde pública, para que as conquistas se expandam para além das ilhas e nichos citados.

“Em 15 países com sistemas públicos de saúde consolidados – na Europa, Austrália, Japão – os recursos em saúde correspondem de 7% a 8% do PIB [Produto Interno Bruto, soma de todas as riquezas produzidas em um ano por um país]. No Brasil, é só 3,8%. Os investimentos per capta são de cinco a seis vezes maiores que no Brasil. Será que se naqueles 15 países os recursos destinados fossem nos níveis do Brasil, seus sistemas teriam alcançado a excelência?, é a reflexão que deixo”, comparou “Nelsão”.

Que terminou conclamando à mobilização, à luta, diante dos retrocessos em marcha de três anos para cá.

“O SUS tem esperança. Mas a sociedade tem que reagir.”

O seminário nacional sobre saúde pública foi promovido pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), por meio de sua Comissão Permanente de Defesa da Saúde (Copeds), em conjunto com o Ministério Público do Paraná, e em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Escola Nacional de Saúde Pública), do Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre o evento na página do Ministério Público do Estado do Paraná, clicando aqui.


Imagem em destaque: Nélson Rodrigues dos Santos no seminário em Curitiba. Foto: Array/Ministério Público do Estado do Paraná


GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:

  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco; CPF 257.618.408-12)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 3 =