Caminho do Sertão, uma imersão na rota descrita por Guimarães Rosa

Confira como foi a participação do pessoal da saúde, com a Fiocruz, nessa rota que reúne gente disposta a conhecer mais de um dos mais emblemáticos rincões do Brasil

Por Nathállia Gameiro, da Fiocruz | De Arinos (MG)

Um caminho com muitas veredas, serras, chapadas, palmeiras, buritis, pássaros e outros animais, em que o verde das plantações e das pequenas árvores típicas do cerrado alternam com a beleza do capim, do chão batido e a imensidão dos rios e lagoas.

Esse foi o cenário vivenciado pelos caminhantes selecionados no projeto Caminho do Sertão. Ao longo de sete dias, eles percorreram, a pé, a rota detalhada em uma das mais importantes obras literárias brasileiras, o Grande Sertão Veredas, escrita pelo mineiro Guimarães Rosa.

De Sagarana, no município de Arinos (MG), ao Parque Nacional Grande Sertão Veredas, na Chapada Gaúcha (MG), foram cerca de 185 km, nas regiões noroeste e norte do estado mineiro.

O projeto teve início em 2014 e desde então seleciona pessoas de diferentes lugares do Brasil para fazer parte da travessia realizada por Riobaldo, personagem principal do livro.

A sexta edição, realizada de 6 a 14 de julho deste ano, selecionou 60 pessoas, entre eles os pesquisadores do Programa de Promoção da Saúde, Ambiente e Trabalho (PSAT) da Fiocruz Brasília, Rafael Petersen e Fátima Cristina Maia.

Para Petersen, vivenciar essa experiência e estar no território foi importante para entender as diferentes formas de vida das comunidades assentadas e tradicionais quilombolas que vivem naquela região, quais são os problemas enfrentados e os desafios.

O pesquisador relata que as casas são afastadas, o caminho é arenoso, de difícil locomoção e que a resistência do sertanejo mesmo diante das adversidades climáticas e de acesso foi o mais marcante.

“Me trouxe um respeito ainda maior por essas pessoas e o entendimento de que precisamos preservar a agroecologia e os espaços das comunidades tradicionais”, conta.

CONTATO COM A DIVERSIDADE

Durante o dia, a cada passo, os caminhantes tinham contato com a diversidade do cerrado e os elementos da vegetação, plantação de monoculturas, escalada de chapadas, relevo, rios, cursos d’água, flora e fauna do cerrado mineiro, passando por fazendas de gados e grandes veredas, comunidades tradicionais quilombolas, vilarejos, povoados e assentamentos.

À noite, descansavam em casas de sertanejos locais, onde conheciam o modo de vida, histórias, saberes e cultura dos moradores, ou em pontos de camping, em que cada um montava sua própria barraca.

A solidariedade chamou a atenção do pesquisador.

“Eles compartilhavam o pouco que tinham, colhiam feijão da própria plantação e cozinhavam no fogão a lenha para os caminhantes. Eles resistem às dificuldades e vivem de maneira muito solidária, abriram a casa e compartilharam suas coisas, para mim foi surreal”, explica.

Nas conversas com os anfitriões, os selecionados do projeto ouviam histórias sobre o processo de fabriqueta de farinha de mandioca e rapadura pelas comunidades quilombolas e de luta pela terra, como no caso de dona Geralda, que foi perseguida na época da ditadura e ameaçada de morte porque os vizinhos queriam suas terras.

Para Rafael, a experiência o fez mudar como pesquisador também. “É preciso observar os problemas, construir indicadores que realmente refletem a realidade das comunidades e pensar em como transformar o território em saudável e sustentável. Ouvir as pessoas e ver o que podemos fazer por eles, como realmente desenvolver uma pesquisa que atenda às necessidades e realidades das pessoas fez parte do meu processo de transformação como pesquisador e agora utilizaremos esses elementos no projeto”, afirma.

A preocupação com as questões ambientais também esteve presente durante a caminhada.

O objetivo do projeto é chamar atenção do participante para o meio ambiente, a crise hídrica e o processo de desertificação que ameaçam a região, refletindo sobre as mudanças necessárias para manter os cursos d’água e os cuidados ambientais, temas de conversas durante as paradas. Esta edição trouxe como tema o Diálogo e também comemorou os 30 anos da criação do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, o maior parque do bioma cerrado no Brasil.

A região do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, norte de Minas Gerais, é marcada por grandes contradições. A água é um grande problema e não é pela escassez.

Ao mesmo tempo em que a região abriga um grande quantidade do recurso, ela não é segura e adequada para uso, por estar contaminada. Há uma grande prevalência de doenças parasitosas e alguns casos de doença de Chagas e grande uso de agrotóxico nas chapadas.

Pela ação humana, nas últimas décadas, o espaço vem sendo atingido por uma crise hídrica, com seca de veredas, assoreamento de cursos d’água e a ameaça de desertificação.

RODA DE CONVERSA

Para conscientizar a população local, o PSAT realizou uma roda de conversa com os moradores sobre saúde, saneamento e água, com base na Política Nacional de Saneamento Rural (PNSR), apresentando soluções sustentáveis e marcos legais do saneamento.

A roda surgiu de uma imersão em cinco comunidades locais, com escuta da população do território, pelo projeto Construção de Territórios Saudáveis e Sustentáveis, no Mosaico Grande Sertão Veredas-Pandeiros-Peruaçu, no noroeste de Minas Gerais, por meio da implantação de uma governança em rede que incorpore ações intersetoriais, programáticas e participativas do SUS, aprovado no edital Ideias Inovadoras da Fiocruz.
Além da crise da água, a região enfrenta uma condição socioeconômica vulnerável, dificuldade de acesso e de melhorias econômicas e analfabetismo adulto.

Não há políticas públicas específicas para os sertanejos, comunidades tradicionais e rurais que ali vivem. Apesar da grande biodiversidade da região, com plantas medicinais e uma série de potencialidades artesanais, de agricultura familiar e agroecologia, há insegurança alimentar na comunidade.

Mesmo com problemas, os moradores não desejam sair da região e o motivo é simples: o sossego.

  • O projeto Caminho do Sertão é promovido pela organização não-governamental Agência de Desenvolvimento Sustentável e Integrado do Vale do Rio Urucuia, com apoio do Governo do Estado de Minas Gerais.
  • Conheça mais no site do projeto e, se quiser participar da próxima, em 2020, acompanhe o período de inscrição: https://caminhodosertao.com.br
Imagem em destaque: caminhantes no sertão mineiro. Foto: Fiocruz/Brasília


GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:

  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco; CPF 257.618.408-12)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: redemacuco@protonmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 3 =