A privatização da Petrobras piora a nossa vida. Entenda como

Descontrole do preço da gasolina e óleo diesel e piora nas contas do país (o que prejudica os serviços públicos) estão entre as sequelas da entrega da companhia pública

Por Juliane Furno, cientista social e doutorando em Desenvolvimento Econômico (Unicamp) | Do Brasil de Fato

Na semana passada, a direção da Petrobras anunciou a venda de 60% das refinarias Presidente Getúlio Vargas (Repar-Paraná), Abreu e Lima (RNEST-Pernambuco), Landulpho Alves (RLAM-Bahia) e Alberto Pasqualini (Refap-Rio Grande do Sul). Se você não é petroleiro e nem vive nenhum desses estados, talvez ache que essa notícia pouco impactará a sua vida que segue. Só que se essa venda se confirmar sua vida será fortemente afetada.

Te explico em três pontos os possíveis impactos dessa tentativa de privatização da Petrobras na sua vida:

1. A venda dessas refinarias implica que a Petrobras passará para a  iniciativa privada – talvez estrangeira – o controle de 40% do refino de petróleo e do transporte de derivados.

Fazendo essa operação, a Petrobras deixa de ser uma empresa “integrada” – que atua desde a extração do Petróleo, passa pelo refino e chega até o posto de gasolina – e será  “fatiada”.

Pois bem, se o refino e o transporte de derivados passarem para a iniciativa privada, o governo brasileiro perde a possibilidade de controlar o preço do combustível que chega nas bombas dos postos.

Com a Petrobras estatal e integrada, ela pode eventualmente ter “deficit” no refino (ou seja, vender a gasolina por um preço abaixo do custo para o consumidor brasileiro) e mesmo assim não ter prejuízo, porque ela pode ter um “superavit” nos custos de produção, por exemplo. Ela também pode operar a política de controle do preço interno da gasolina sem ficar refém da dinâmica flutuante do preço do barril no mercado internacional.

Como estatal ela tem como meta prioritária a busca do atendimento aos interesses nacionais, acima da lógica da maximização do lucro. Com o refino nas mãos das empresas privadas findam-se as possibilidades de garantir desenvolvimento nacional e preços baixos aos consumidores, já que a lógica deixa de ser o bem estar social e passa a ser a do mercado.

Você também pode não ter carro e dizer que não se importa com a subida do preço do combustível. Acontece se o preço da gasolina sobe, tudo que é “transportado” por rodovias terá seu preço acrescido: a carne que a gente come, as roupas que a gente veste… e isso tudo impactará fortemente na inflação do país, porque todos os preços subirão rapidamente, diminuindo o seu poder de compra.

2. Antes de anunciar a privatização dessas refinarias, elas já estavam operando com capacidade ociosa, ou seja, produzindo menos do que é possível.

A refinaria da Bahia está operando com sua carga reduzida em 43%1 por exemplo! Por que será que produzem menos do que são capazes enquanto nossa demanda por petróleo refinado só vem aumentado? Assim, o único jeito de suprir nossas necessidades internas é importando petróleo. Com uma política dessas a Petrobras cria concorrentes para ela mesma e sinaliza para a sociedade que não tem capacidade de ser a provedora de petróleo refinado no Brasil, o que não é verdade!

Para comprar petróleo no mercado internacional é preciso pagar em dólares (divisas). Assim, o Estado gasta os nossos dólares para importar gasolina, utiliza uma reserva que poderia ser gasta em outra coisa que de fato não produzimos internamente e que é necessário importar, como equipamentos que utilizam tecnologia que não detemos internamente. E isso ainda interfere na nossa balança comercial: se a gente importa mais do que exporta, ficamos com deficit de “dólares”.

3. A privatização da Petrobras passará para o mercado controlar um ativo extremamente estratégico.

O petróleo atualmente é o principal responsável pela geração energética no mundo, é um produto barato em comparação com os demais e está – comprovadamente – no centro dos principais conflitos mundiais, uma vez que quem tem petróleo hoje tem poder e segurança energética.

A entrega desse produto compromete nossa soberania nacional, nossa capacidade de desenvolvimento e a segurança de que teremos abastecimento em quantidade suficiente e a preços muitos parecidos do Oiapoque ao Chuí.

Imagem em destaque: Plataforma P-52, no Campo de Roncador (Bacia de Campos). Foto de Stéferson Faria/Agência Petrobras


GOSTOU DO MACUCO?

Ajude a gente a se manter e a continuar produzindo conteúdo útil. Você pode:

  • Ser um assinante colaborador, depositando qualquer quantia, com a frequência que for melhor pra você. Nossa conta: Caixa – Agência 1525 Op. 001 Conta Corrente 000022107 (Wagner de Alcântara Aragão, mantenedor da Rede Macuco; CPF 257.618.408-12)
  • Ser um anunciante, para expor seu produto, ou serviço que você oferece. A gente faz plano adequado à sua condição financeira, baratinho. Entre em contato pelo whatsapp ou telegram: 13-92000-2399
  • Para mais informações sobre qualquer uma das opções, ou se quiser colaborar de outra forma, escreva pra gente: waajornalista@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 1 =